domingo, 1 de abril de 2012

ESTUDO BÍBLICO - Isaque

LIÇÕES DA VIDA DO PATRIARCA ISAQUE

“E disse Deus: Na verdade, Sara, tua mulher, te dará um filho, e chamarás o seu nome Isaque; e com ele estabelecerei o meu concerto, por concerto perpétuo para a sua semente depois dele” (Gn 17.19).

Isaac, Isaque ou Yitzhak (do hebraico יצחק, literalmente "ele vai rir") por que Sara riu quando o anjo prometeu que ela iria dar á luz. O primeiro fato que nos chama a atenção para a vida de Isaque é o seu nascimento miraculoso. Nasceu miraculosamente da união de Abraão e Sara, quando estes tinham 100 e 90 anos respectivamente. Isso já demonstra o poder de Deus em cumprir com suas promessas. Além de Isaque, após a morte de Sara, Abraão ainda gerou mais seis filhos com sua outra esposa Quetura (25.1,2).
Isaque foi desmamado com cerca de 5 anos e morreu com 180 anos;Isaque passou a maior parte da sua vida nas cercanias de Gerar, Reobote e Berseba. Era um homem dado à meditação, conciliador, tranquilo e passivo. Ele cumpriu bem com o propósito de Deus na sua vida.

1.       O poder da Oração

Assim com sua mãe, Sara, a esposa de Isaque era estéril. (25.21) Isso fez com que Isaque orasse especialmente por esta causa. O pacto abraâmico dependia da fertilidade. Isaque orou insistentemente vinte anos por sua esposa. Paulo enfatiza a importância de não abandonar a oração: Perseverai em oração, velando nela com ação de graças; Colossenses 4:2. Ele orou, e quando estava com sessenta anos, sua esposa engravidou de gêmeos. Deus interviu na causa impossível aos homens. Deus interviu em Sara, em Rebeca, em Raquel, na mãe de Sansão, Ana e Isabel, prima de Maria. Ás vezes, Deus fica por detrás das cortinas contemplando nossa determinação e fé, para no momento certo honrar com aqueles que acreditaram no seu poder.


2.       O conflito eterno
Havia um conflito no ventre de Rebeca. E Deus lhe respondeu. Talvez foi a primeira mulher que soube antes de nascer, que estava grávida de gêmeos sem ajuda de aparelho de ultra-som.
“E o SENHOR lhe disse: Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas, e um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor.”
Gênesis 25:23
Tanto as linhagens de Abraão-Ismael-Esaú, como Abraão-Isaque-Jacó estavam debaixo da benção divina. Entretanto, os descendentes de Esaú, o filho mais velho (o que contrapõe os costumes da época) serviria à descendência do mais novo, do qual viria o messias. “Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú.” Romanos 9:13 Deus é soberano para escolher a quem Ele quiser.
Esaú era peludo, (hebraico ‘adohmoni, derivada de edom, que tem o mesmo sentido). Jacó, cujo nome significa “suplantador”, e que também pode significar, “que ele(Deus) proteja”.

3.       O favoritismo dentro do lar
Amar mais a um do que outro filho pode trazer tragédias ou consequências devastadoras para as descendências. Ser mais ou menos amado do que outro na família impregna traumas de inferioridade ou superioridade na mentalidade das crianças. O casamento planejado nos céus não foi um êxito absoluto na terra por que os esposos falharam. 

4.       O direito da primogenitura
A)      Os filhos primogênitos do sexo masculino (até dos animais) eram consagrados a Deus, enfocando privilégio espiritual. (Ex 22.29).
B)      O filho primogênito recebia porção dupla da herança paterna. (Dt 21.17). O que poderia ser vendido ou transferido.
C)      Antes do sacerdócio ser oficializado, o primogênito era responsável pelo culto doméstico como sacerdote da família. (Nm 3.12-18;8.18;Gn 27.29)
D)      Presumivelmente, era dotado de superioridade política, moral e social na família, a autoridade na família após a morte do pai. (Gn  49.3).
E)      O direito de receber a benção superior impetrada pelo pai. E nesse caso, as bênçãos do pacto abraâmico.
Entretanto, Esaú era um homem profano (Hb 12.16), por que não dava valor às coisas espirituais, mas somente às materiais. Quanto perde o homem que troca a sua herança espiritual por um prato de lentilhas! O prazer momentâneo do sexo ilícito, das drogas e do pecado tem saciado a fome de muitos Esaús pelo mundo. Mal se lembram que estão negando uma eternidade de prazer e paz segura nos céus. Este é o proceder do homem natural.

5.       A benção que desperta inveja

O capítulo 26 registra três tentações que Isaque teve que enfrentar: Abandonar a terra prometida em um período de fome, simular que Rebeca não era sua esposa em um momento perigoso, e reagir violentamente à provocação dos filisteus. Da mesma forma que Deus fez com seu pai, Ele permite que ocorra com Isaque a fim de dar-lhe uma oportunidade de demonstrar que cria ele mesmo em Deus. A provação é uma oportunidade para o cristão obter experiência própria com Deus.
Devido a uma fome, Isaque mudou-se com a família para Gerar, território filisteu, e não para o Egito, por que Deus apareceu advertindo para ele não descer para lá. Ele obedeceu, mostrando fé no poder providencial de Deus para não deixá-lo perder toda a riqueza que seu pai havia lhe entregue: “Pela fé habitou na terra da promessa, como em terra alheia, morando em cabanas” (Hebreus 11:9). Foi então que Yahweh confirmou seu propósito de cumprir a promessa abraâmica mediante Isaque, repetindo seus termos: “Vou multiplicar a tua descendência como as estrelas dos céus e vou dar à tua descendência todas estas terras; e todas as nações da terra certamente abençoarão a si mesmas por meio de tua descendência.” — Gên 26:1-6; Sal 105:8, 9. Depois da prova Deus o abençoou (26.12,13) o enriquecendo com uma colheita extraordinária. A bênção do SENHOR é que enriquece; e não traz consigo dores. Provérbios 10:22 Isaque ficou rico por que obedeceu a Deus! Ele se tornou grande, e continuou crescendo e ficou grande e depois excessivamente grande. Tão rico que não poderia continuar ali.

Os filisteus eram um povo haviam invadido o Egito no Séc. XII a. C. e que fracassaram com muitas mortes, mas se estabeleceram em Canaã, região que posteriormente passou a se chamar pelos romanos, Palestina por causa deles. Neste território filisteu não muito amigável, Isaque, como Abraão, seu pai, usou de estratégia afirmando que sua esposa era sua irmã. O que veio a ser revelado depois, quando Abimeleque viu Isaque acariciando sua esposa. Isaque falhou, e Deus providenciou uma forma de salvar Rebeca. A graça de Deus se revela nos momentos de nossa fraqueza. Mas, não é motivo para pecarmos.

Depois de certo tempo, a bênção de Deus sobre Isaque tornou-se uma fonte de inveja para os filisteus. Invejavam o sucesso de Isaque, mas não seu trabalho nem sua fé. Horácio dizia: “O invejoso emagrece com a gordura dos outros.” Inveja ou invídia é um sentimento de tristeza perante o que o outro tem e a própria pessoa não tem. Este sentimento gera o desejo de ter exatamente o que a outra pessoa tem (pode ser tanto coisas materiais como qualidades inerentes ao ser).

Foi preciso que ele se mudasse, primeiro para o vale da torrente de Gerar, e daí para Berseba, à beira da árida região do Neguebe. Isaque demonstrou com sua vida o Sermão da Montanha quase 2.000 anos antes dele ser pronunciado. O crente deve agir com paciência e às vezes perder momentaneamente a fim obter paz com os inimigos para receber as recompensas de Deus posteriormente. De forma, que Isaque saiu de um vale apertado por causa da perseguição para um vale extenso onde poderia crescer ainda mais. É assim que age a mão de Deus! “porém o nosso Deus converteu a maldição em bênção. “ Neemias 13:2
Enquanto ali, os filisteus, anteriormente hostis, vieram tentar obter “um juramento de obrigação”, ou um tratado de paz com Isaque, pois, como reconheceram: “Tu és agora o abençoado de Deus.” Neste local, os homens de Isaque acharam água, e Isaque o chamou de Siba. “É por isso que o nome da cidade é Berseba [que significa “Poço do Juramento; ou: Poço de Sete”], até o dia de hoje.” — Gên 26:7-33.

A última das lições:
Em Berseba, no meio das perseguições, Deus falou com Isaque, e três fatos importantes nós poderemos destacar:
1º Eu sou o Deus de Abraão, teu pai (26.24a). Assim como estive com Abraão, eu estarei contigo!
2º Não temas, porque eu sou contigo(26.24b) Mesmo com tantas oposições, perseguições e dificuldades, não havia motivos para temer. A presença de Deus gera segurança!
3º Abençoar-te-ei e multiplicarei (26.24b). Deus conhece nossas fraquezas e nos lembra de todas as promessas que nos faz, afim de nos fazer reconhecer que nenhuma delas falhará, se levante o que se levantar!


Pr. Flávio Alves

Nenhum comentário:

Seguir por Email